Vela na naite bombada: tomando um fora da Amelie Poulain

Uma das melhores festas da cidade escolheu um dos melhores lugares da cidade para comemorar dois anos de vida. A Maracangalha deixou de lado o simpático pulgueiro da Gafieira Elite e apostou no enorme Cine Íris. Fazia muito tempo que eu não pisava no templo da sacanagem diurna, desde a última Loud, a uns cinco, seis anos atrás. Lá ainda rolam algumas festas, tipo DDK. Mas eu não curto muito essa vibe Crepúsculo perigóticas.

Festa florida não demora a fazer sucesso. E a playboyzada já descobriu isso. Bom que eles ainda não conseguiram estragar a festa. A mulherada da Maracangalha é daquele tipo hippie-alternativa de Santa-Teresa. Tinha uma sósia da Amelie Poulain que eu não me contive e tive que abordar, mesmo ela sendo tão sexy quanto um porco espinho (obrigado, Allan Sieber).

amelie-poulain

– Você é a Amelie Poulain?

– Não.

– Não acha que é um fabuloso destino nos encontrarmos?

– Não.

– Onde é que vc vai? Vou ter que seguir as tuas pistas até Montmattre?

Dessa vez o não foi com a cabeça…

O vaievem nas escadas era frenético. Na pista do cinema, uma criatura híbrida formada por César Maia e Solange Amaral aparecia no telão enquanto tocava “Bichos escrotos” no talo. Meigo. A chuva deu um tempo, o céu abriu e o terraço recebeu a Soul, Baby Soul sob a luz da Lua. Belo climão. A chuva também contribuiu pros tombos cinematográficos nas escadas de mármore.

Simpático venderem biscoito Grobo. Caído só o tal combo de 4 latinhas a 10 reais. O sujeito era obrigado a pegar as 4 latas de uma vez.

Ah sim: a Loud vai voltar ao Cine Íris no dia 23! Com Wander Wildner!! (lugar) Do caralho!!!

Fanfarra Paradiso e festa Oh, Play That Thing!

A banda instrumental  é legalzinha, tem músicas de nomes nonsense, anunciados por um dos músicos no microfone, e não se rende aos covers e versões usuais de outras bandas da cidade. Merece a atenção.

Já na festa só rola jazz e suas vertentes. É bacaninha, tem até uma galera que dança como os nossos avós (e usam roupas de brechó). Dá até pra se arriscar no charleston. Chega uma hora em que fica um pouco monótono, mas esse tipo de festa bem específica, como Soul baby soul, Bangarang e Arriba!, é fundamental na cidade.

O lugar, a Casa de Jorge, é bem receptivo a essa galera. Era o antigo Mal do Século (com esse nome não podia dar certo), na Rua do Rezende, na Lapa. Depois de um tratamento acústico não atormenta mais os vizinhos. E ainda conta com um trunfo importante nesses tempos de caça aos fumantes: uma área ao ar livre bem espaçosa.

Veneno

Atendi ao chamado de uma amiga e depois de muitos meses voltei a dar as caras na Casa da Matriz, na última quinta-feira. Pra que!? Homem pra burro! Não adianta fazer lista vip pras moças. E o site da Matriz ainda informa o preço errado. Fumantes são colocados em um ridículo cercadinho do lado de fora. Se quiserem conferir o som do DJ Túlio, um dos melhores destas paragens, procurem outras festas onde ele dá as caras.

Largo das Letras

No casarão em frente ao Cine Santa rola forró e roda de samba no segundo e último sábados do mês. De graça. Altamente recomendável, não vou explicar o motivo. Vá cedo, porque acaba às 11 da noite.

Siga as dicas da naite bombada carioca no twitter.com/@vela__

Anúncios

6 ideias sobre “Vela na naite bombada: tomando um fora da Amelie Poulain

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s